Porque (e como) ter uma cultura forte na sua EJ

Livia Kuga
4045

Quando o tema é empresa, um conceito muito comum e avaliado é a Cultura Organizacional. Segundo Peter Drucker, pai da Teoria da Administração, “Cultura devora estratégia no café da manhã”. Ou seja, de nada adianta desenhar uma excelente estratégia, se a cultura da empresa não está alinhada com ela. Nas empresas, a Cultura Organizacional é um dos principais ativos intangíveis, muito difícil ser copiada de uma empresa para a outra. É praticamente seu DNA e pode ser um grande diferencial competitivo.

 

Para isso, vamos entender o que é essa tal de Cultura Organizacional e como fazer para que ela se torne forte.

 

O que é?

 

O conceito é muito ligado à rotina da empresa, como funcionam as diretrizes que norteiam o comportamento e a mentalidade de seus membros. De forma simples, a Cultura é a soma dos princípios, valores, práticas, hábitos e comportamentos das pessoas que trabalham na empresa.

 

Uma frase que gostamos de usar aqui na Stone é “Quando fica tudo escuro e ninguém sabe exatamente para onde ir, você olha para o lado e vê uma luz de emergência. É para lá”. Ou seja, quando ninguém te dá um norte do que precisa ser feito, você sabe como agir. Você age de acordo com os valores da empresa.

 

Por isso, é muito importante entender que a Cultura não é apenas os valores ou quadros bonitos na parede. É muito mais. É aquilo que é reforçado e aquilo que é tolerado. Quando você tolera determinados tipos de comportamento, você naturalmente está evidenciando o que pode ou não ser aceito.

 

O que você precisa então para ter uma cultura forte?

 

  1. Propósito claro

 

O primeiro passo é trazer pessoas com visão parecida, que adorariam trabalhar em conjunto em prol de algo maior do que eles mesmos.

 

  1. Valores para nortear o propósito

 

De nada adianta ter um propósito claro, se não tiver alguns valores para se guiar. É importante lembrar que “menos é mais”. Quanto mais valores tiver, mais difícil será das pessoas se lembrarem. Além disso, os valores podem (e devem) ser revistos de tempos em tempos. A melhor maneira de estruturar valores é conversando com aqueles que fundaram a empresa e pessoas protagonistas nela. É super importante olhar para história e identificar quais comportamentos trouxeram os resultados esperados.

 

(Dica: leitura do livro “Satisfação Garantida” – Tony Hsieh, fundador da Zappos, conta a história de como ele desenhou os valores de sua empresa – em time)

 

  1. Gente / Time

 

Valores não podem, nem devem, ser apenas um papel de parede. Têm de ser algo que as pessoas acreditam e se comportem assim.

 

Aqui na Stone, isso é levado muito a sério. Tão a sério que temos um mecanismo de seleção chamado “check de cultura”. Temos uma lista de pessoas da empresa (sócios, de modo geral) que tem o aval de contratação. 100% das contratações precisam necessariamente passar por esse check de cultura para verificar se a pessoa, na vida dela, já demonstrou comportamentos como os de quem já trabalha na empresa.

 

  1. Rituais

 

Uma das coisas mais importantes para manutenção da cultura são os rituais. São momentos marcantes para lembrar a todos a importância que damos à determinados comportamentos. Aqui na Stone, por exemplo, temos alguns rituais:

 

  • Bate-Papo – toda semana, algumas pessoas da Stone compartilham com toda a empresa os principais acontecimentos da semana;
  • Recruta – nosso maior ritual de cultura, disfarçado de processo seletivo. Não existe nada mais importante do que trazer gente boa para perto e, por isso, fazemos questão de ter um programa forte que envolve as nossas principais lideranças;
  • StoneCamp – nosso maior evento de liderança, que tem como grande objetivo alinhar todos os nossos líderes e lembrar mais uma vez que não existe nada mais importante do que nossa Cultura.

 

  1. Sistema de Recompensa e Punição

 

Além disso, é super importante criar mecanismos para que a empresa possa reforçar bons comportamentos e também deixar claro o que não é nossa cultura.

 

Um dos principais mecanismos é o Feedback Semestral: todo fim de semestre, temos um momento super importante de avaliação de desempenho. E um dos principais pontos que avaliamos é os “Comportamentos Esperados”. Todos os lideres devem avaliar seus liderados. Depois disso, é super importante que o líder converse com seus liderados explicando os principais erros e acertos para melhorar para o próximos semestre.

 

Outra coisa importante de se entender é que Cultura não é só o que você prega, é também o que você tolera.

 

É a obrigação de todos não ser complacente com comportamentos que desviam daquilo que a gente acredita. Se foi uma falha simples, um feedback imediato costuma acontecer. Uma conduta que se repete ao longo do tempo, mesmo com inúmeros feedbacks, não é tolerado. E isso passa uma grande mensagem para aqueles que ficam.

 

É super importante entender todo o Ciclo de Gente e sempre criar momentos para evidenciar a cultura. Seja ela na Atração, Seleção, Entrada de novos Colaboradores, dar um novo Treinamento, Remunerar/Recomensar ou até mesmo demitir alguém.

 

A Stone cresceu e atingiu esses patamares, muito por conta de nossa Cultura. Acreditamos que uma Cultura forte pode potencializar a empresa para atingir patamares que nunca tinham sido vistos antes.

 

E você? Como enxerga a Cultura da sua EJ? O que está fazendo para garantir e perpetuar o propósito a que vieram?

 

Time StoneFintech brasileira de meios de pagamentos
4045
Livia KugaHead de Talent Acquisition na Stone