Como alavancar sua EJ através de um mindset de inovação

ESAG Jr.
571

 

Sua EJ já atingiu o cluster 5 e não sabe mais para onde ir, ou ainda luta para manter a motivação dos membros e conquistar seus primeiros clientes? Independente de qual é a situação, só existe uma forma de virar o jogo e direcionar sua EJ para o tão sonhado crescimento exponencial: inovando. 

 

Esse artigo vai ajudar você a entender o que é um mindset de inovação e como torná-lo mais proeminente nos membros da sua EJ, incentivando a criatividade e despertando boas ideias.

 

Nos tempos atuais, muitas empresas de mercado lutam dia após dia para se manterem no jogo, mas nessa era de mudanças constantes a capacidade de estar continuamente inovando em seus processos e produtos vem se tornando um fator cada vez mais determinante para que as organizações alcancem o sucesso. E o mesmo se aplica às empresas juniores, que precisam inovar para fugir da estagnação e trazer aos seus membros a melhor experiência possível.

 

Mas qual é a melhor forma de fazer da minha EJ um ambiente propenso à inovação?

 

A verdade é que o melhor caminho para construir uma organização inovadora é cultivando a inovação dentro de cada indivíduo, como diz Murilo Bueno, da empresa de inovação Mandalah. Afinal, as ideias inovadoras não virão sempre dos líderes em brainstormings, mas podem partir de qualquer um, em qualquer momento, desde que essa prática seja disseminada na cultura da empresa.

 

Para que a inovação ocorra de forma natural e orgânica, é necessário que se difunda entre os membros um mindset de inovação.

 

Para compreender isso melhor, é preciso primeiro quebrar alguns paradigmas. 

 

O primeiro é que a capacidade de ser criativo, inovar e ter ideias brilhantes é uma característica inata de certos indivíduos visionários, e que as pessoas comuns jamais alcançarão uma habilidade como essa. Na verdade, a capacidade de inovar é algo que pode ser aprendido, treinado e desenvolvido por qualquer um.

 

O segundo é que boas ideias surgem em momentos únicos de inspiração, como quando Isaac Newton teve a ideia da lei da gravidade quando uma maçã caiu em sua cabeça. As grandes ideias não surgem do nada, elas precisam ser trabalhadas, muitas vezes por longos períodos e desenvolvidas no subconsciente até se tornarem algo palpável.

 

E por fim, o terceiro, é que inovação precisa ser a reinvenção da roda. A maior parte das inovações são, na verdade, pequenas mudanças que fazemos no modo como as coisas já são feitas, sempre utilizando ideias pré-existentes, mesclando-as e adaptando-as, e assim criando algo realmente novo.

 

Uma vez compreendidos esses pontos, vamos agora falar sobre o que é esse mindset de inovação.

 

Um mindset nada mais é do que o conjunto de pensamentos, valores e crenças que permeiam a mente de cada pessoa, moldando a forma como ela enxerga a realidade e interage com ela. Ter um mindset de inovação é fazer do seu cérebro um ambiente propício para que novas ideias seja incubadas e desenvolvidas. 

 

O processo criativo não é algo simples, que surge aleatoriamente, mas sim um caminho tortuoso, cansativo e muitas vezes desconfortável, que precisa ser transposto para que novas ideias surjam e revolucionem a forma como fazemos as coisas.


 

As crenças e valores de um inovador

 

Para compreender mais a fundo o mindset de inovação, vamos falar um pouco sobre as crenças e valores que estão inseridos no paradigma pelo qual os inovadores enxergam o mundo, e os fazem estar à frente das demais pessoas no que diz respeito à criatividade.

 

Essas crenças e valores envolvem:

 

  • Assumir responsabilidade pela própria capacidade de inovar

  • Buscar feedbacks e aprender com eles

  • Enxergar o erro como parte do processo para o acerto

  • Buscar estímulos para desenvolver a criatividade

  • Valorizar perguntas mais que respostas

  • Crer que só por que algo nunca foi feito não quer dizer que não deva ou não possa ser feito

 

Além disso, duas características fortes no mindset do inovador são o inconformismo e o otimismo pragmático. 

 

O inconformismo, relacionado à estar sempre questionando o modo como as coisas são, pode ser resumido a uma icônica frase de George Bernard Shaw, dramaturgo, cientista e jornalista irlandês: “Alguns homens vêem as coisas como são e dizem ‘Por quê?’ Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo ‘Por que não?”. 

 

Já o otimismo pragmático, relacionado a acreditar no impossível e enxergar a possibilidade de sucesso quando ninguém mais enxerga, é contemplado pela frase de Albert Einstein: “Se a princípio uma ideia não é absurda então não há esperança para ela”.

 

Uma vez que tenha isso internalizado, o indivíduo poderá inovar com muito mais facilidade, e assim fazer a diferença dentro de sua organização, seja ela uma EJ ou qualquer empresa de mercado.


 

Como estimular um mindset de inovação

 

Agora, apresentaremos 3 ações para estimular um mindset de inovação nos membros da sua EJ.


 

  1. Encoraje o compartilhamento de ideias

 

Um pesquisador chamado Kevin Dunbar, certa vez, fez um experimento no qual observou diversos laboratórios científicos pelo mundo e gravou os cientistas enquanto trabalhavam, com a intenção de mapear os momentos em que as suas melhores ideias surgiam. O que ele descobriu foi que as ideias mais importantes não surgiam quando estavam sozinhos em seus laboratórios, e sim na mesa de conferência, quando todos se reuniam e compartilhavam seus experimentos.

 

Para que boas ideias surjam de fato, e não só isso, mas que também sejam desenvolvidas e se tornem aplicáveis, é muito importante que haja uma comunicação natural entre os membros da EJ, que compartilhem seus problemas, suas dúvidas e seus insights, não apenas com seus colegas mais próximos, que estão no mesmo projeto ou na mesma área interna, mas com pessoas não relacionadas que podem apresentar novas perspectivas e paradigmas. 

 

Isso vale para membros da EJ não relacionados à ideia, mas também muito para pessoas de outras EJs ou de fora do MEJ. Quanto maior for o leque, mais fácil será visualizar o panorama geral e despertar a criatividade e a inovação.

 

  1. Incentive os membros a tirarem um tempo para si

 

A criatividade e o processo de inovar e ter boas ideias é uma atividade como qualquer outra dentro do nosso cérebro, e portanto demanda tempo e energia. Quando estamos 100% focados em determinada tarefa, utilizando nosso raciocínio lógico e direcionando toda a nossa capacidade cerebral para aquela execução, não é aí que a inovação acontece.

 

O momento que o cérebro consegue de fato trabalhar para desenvolver uma ideia, é o momento em que o corpo entra no piloto automático e o cérebro pode viajar e explorar os desafios que estão guardados no subconsciente do indivíduo. Ou seja, procrastinação moderada (não excessiva) ajuda o cérebro a ter boas ideias, estimulando a inovação.

 

Para testar essa hipótese, o psicólogo organizacional Adam Grant certa vez fez um experimento no qual pediu para que diversas pessoas criassem ideias de novos negócios, e aleatoriamente pediu para que algumas jogassem campo minado por 5 ou 10 minutos antes de responderem a pergunta. O resultado foi que os que jogaram por 5 minutos deram respostas 16% mais criativas que os demais. 

 

Portanto, não deixe que os membros da sua EJ trabalhem sem parar no máximo da eficiência. Em vez disso, dissemine a ideia de que eles devem tirar algum momento do dia para fazer algo simplesmente relaxante (que não seja mexer no celular) para estimularem sua criatividade.

 

  1. Cultive a segurança psicológica

 

Esse último é de suma importância para que a inovação aconteça e os membros removam seus bloqueios criativos. Um dos principais inimigos do mindst de inovação é o medo de errar, o medo de tentar algo novo e fracassar, medo que deve ser sistematicamente removido das mentes dos membros da sua EJ. 

 

Um estudo interno do google identificou essa segurança psicológica como o fator mais importante no desenvolvimento de equipes de alta performance. Os pesquisadores descobriram que os indivíduos em equipes com maior segurança psicológica são menos propensos a sair do google, tendem a aproveitar mais o poder das ideias diversas de seus companheiros de equipe, trazem mais receita e são classificados como mais eficazes por executivos.

 

Essa segurança psicológica é essencial para que os membros se arrisquem a tentar coisas novas, pois saberão que se errarem não serão julgados ou repreendidos. Toda inovação envolve risco, e aqueles que estão mais abertos a inovar são também os que estão mais abertos a correr riscos e cometer erros. 

 

Os erros são uma parte inata de todo processo de inovação, pois eles trarão o aprendizado que futuramente encaminhará ao acerto. Aqueles que tiverem esse sentimento internalizado poderão guiar suas ideias por territórios inexplorados e chegar a resultados surpreendentes.


 

Conclusão

 

Criar uma cultura forte de inovação na EJ e disseminar um mindset de inovação nos membros não é fácil e não existem atalhos para isso. Porém, para que se chegue em algum lugar o primeiro passo precisa ser dado, e esse passo envolve acima de tudo fazer cada um entenda que o processo que leva às grandes ideias começa de dentro, e depende única e exclusivamente e cada um de nós.

 

A partir daí, basta gerar os incentivos corretos para despertar nas pessoas as crenças que compõem a mente de um inovador, como ampliar o diálogo, dar um tempo para a inovação e criar um ambiente onde todos possam errar com segurança, além de, é claro valorizar aqueles que trazem boas ideias aplicáveis à realidade da EJ.

 

Esperamos que esse artigo tenha sido útil, continue se informando para aperfeiçoar a si mesmo e a sua EJ, e boa sorte com as metas!

Time StoneFintech brasileira de meios de pagamentos
571
ESAG Jr.